• Diário Macabro

Sobre sentir medo com filmes de terror — o caminho sem volta

“Mas, Marcos, filmes de terror não me assustam!” disse a pessoa bufante, colocando os punhos cerrados no quadril e levantando o queixo, enquanto seu cabelo ondula ao vento. Ou “Ah que pena, eu queria sentir medo em filmes de terror, mas nunca consigo...” disse Bisonho no cantinho triste e solitário.

Todos nós que curtimos filmes de terror já ouvimos isso antes. Se você não se assusta com filmes de terror e quer experimentar esta emoção única e gratificante, prossiga comigo. Tenha em mente que eu tratarei de películas que querem assustar aqui, produções que levam sua proposta a sério e visam atingir um objetivo; estou partindo do pressuposto de que você saiba o que é um bom filme de terror. De qualquer modo, trataremos do assunto sobre o que torna um filme de terror efetivo em um post futuro.



Primeiro de tudo, um bom filme de terror é uma obra a ser apreciada individualmente. Sim, caros amigos, esses exemplares da sétima arte são, em sua maioria, feitos para serem vistos sem companhia. Por qual motivo? Simples: note que nos filmes os protagonistas são sempre isolados do resto do mundo, o celular não tem sinal, o carro estragou no meio de uma tempestade, o meteoro caiu em uma área remota de uma pequena cidade de interior etc. A sensação de isolamento ajuda a construir o terror; se você está longe de qualquer ajuda, você temerá por sua vida. Esta sensação de isolamento funciona também com você, caro espectador. Se você quer se sentir cercado pela atmosfera de um bom filme de terror, assista ao filme apenas consigo mesmo. Companhia para ver filmes é sempre bom, mas, a não ser que a pessoa tenha o mesmo mindset que o seu, a coisa não funciona muito bem no caso específico de sentir medo. Comentários desnecessários podem quebrar o clima de um bom filme. Além daquele tipo de pessoa que todos amamos: a pessoa que tem medo e usa o humor para disfarçar o medo.

— AHAHAHAH, que idiota isso, que situação boba, eu nunca me colocaria ali — disse o amigo, enquanto treme que nem vara verde.

Pegando carona no parágrafo acima, o filme de terror atinge cada um de uma forma muitíssimo diferente. O que eu quero dizer com isso é que você tem que encontrar, dentro do terror, o subgênero que assusta você. Eu não me assusto e nem fico tenso com slashers (apesar de Halloween me deixar desconfortável), mas filmes de terror asiáticos, como o absolutamente L-I-N-D-O Noroi, me assustam, me deixam apreensivo, meu coração fica pesado e eu fico inquieto.

Apesar de todos os filmes de terror tentarem trabalhar em torno de assustar o espectador com ferramentas gerais (jump scares e medo da morte sendo as mais comuns), as peculiaridades de cada um é que se destacam. Assista a um monte, veja qual deixou você mais inquieto e mergulhe no subgênero.

Vou só compartilhar uma história aqui: sempre que eu ia à locadora, escolhia os mais diversos filmes de terror, mas havia um que minha mãe proibia sumariamente: “O Exorcista”. Era tanto terrorismo que eu não pegava mesmo, até um dia, por volta dos meus 15 anos. Aluguei o filme, assisti, e no fim não fiquei com medo. Demorei muito até entender o porquê: eu não me conecto com filmes de terror-cristão, por mais que eu tente e ache que alguns filmes deste subgênero conseguem trazer, da forma mais crua, o conceito de “Mal”, isso não aperta meus botões.

Por último, mas de longe o passo mais importante: permita-se sentir medo. Abaixe sua guarda, entre no filme, tente ser empático. O medo é uma sensação deliciosa quando você tem o ambiente controlado. O medo bombeia adrenalina no seu corpo, o sangue corre mais rápido, os músculos tensionam, as pupilas dilatam, assim como um animal que tenta evitar ser comido por um predador. Medo é uma emoção primal, antiga, do tipo que nós praticamente não temos mais acesso. É uma experiência fascinante sentir medo de um filme, mas se você luta ativamente contra isso, fazendo piadas ou tentando reafirmar que aquilo tudo é uma bobagem, então não sentirá esse estranho prazer. Não diga “Nenhum filme de terror me assusta”. Tente fazer o que eu sugeri e esteja aberto a essa experiência singela e incrível!

Espero que, se você ainda não encontrou lugar nesse expresso macabro, eu tenha ajudado, e que você consiga ter uma noite de sono perturbada por horrores indizíveis!





41 visualizações2 comentários

©2020 by Editora Diário Macabro.